segunda-feira, 30 de maio de 2011

Críticas pontuais são necessárias, mas não dá pra negar a evolução do time


Críticas pontuais são válidas e necessárias, mas não dá pra jogar tudo fora. Há uma clara evolução e os números provam isso. De um time sem força ofensiva e sem criatividade no Estadual, a quatro boas partidas pela Copa do Brasil e Brasileirão.

O grande erro do Luxemburgo ontem foi na montagem do banco. Fierro e Angelin viajaram com o time, mas foram preteridos por Fernando e Jean. Estranho que quando é o Léo Moura titular, Fierro sempre fica no banco para reforçar o lado direito, só que dessa vez com o Galhardo, não tinha um reserva na posição.

Na goleada contra o Avaí, o grande mérito do time foi não ter ficado satisfeito com o 2 x 0, foi pra cima, fez o terceiro, o quarto e se tivesse mais tempo teria mais gols, ontem o time conseguiu a virada, mas amoleceu, claro que teve o cansaço, o time precisou correr atrás do resultado, mas não podia entregar a vitória faltando três minutos para acabar o jogo.

Um ponto positivo, é que mesmo sem uma tarde inspirada de Ronaldinho e Thiago Neves, o time demonstrou força coletiva. Egídio recebeu nota 9 do jornal O Globo, e junto com Galhardo, está na seleção da rodada. Willians ganhou nota 8 no jornal e o argentino Botinelli e Galhardo receberam nota 7.

Agora em números essa evolução é ainda mais destacada:

1) Nos dois primeiros jogos, o Flamengo trocou 895 passes certos, melhor marca da competição, com um aproveitamento de 90%.

2) Quatro dos 10 primeiros colocados individualmente são comandados por Luxemburgo.

3) Contra o Avaí, o Flamengo acertou 138 passes a mais que o adversário.

4) Contra o Bahia, a superioridade foi absurda: 512 contra 199.

5) Na posse de bola, o time é o líder com média de 18min44s.

6) Egídio é o segundo jogador que mais fica com a bola na competição, com média de 3min03s.

7) Contra o Bahia, o Flamengo teve 67% de posse de bola contra 33%.

8) Contra o Avaí, o time teve 58% contra 42%.

9) Nas finalizações o Flamengo lidera com 39 chutes (20 a 10 contra o Avaí e 19 a 9 contra o Bahia) sendo 16 delas na direção do gol.

10) E por fim, tem o melhor ataque da competição com sete gols.

4 comentários:

Ricardo Nagato disse...

Concordo plenamente. A evolução é evidente.

Os erros foram pontuais. Gravíssimos, mas pontuais.

Nem sei se há estatística de defesas do Felipe. Ele fez alguma? Ou os 3 chutes que foram no gol entraram?

Posse de bola é fundamental. Prova disso foi nos gols que levamos e no fim do jogo, quando perdemos a posse de bola.

O restante do jogo foi domínio total. Mostra que o entrosamento está melhorando.

SRN

Marcelo disse...

Sempre que o Jean entra a gente leva gol! Impressionante!

costabrito disse...

Concordo que o grande erro foi a montagem do banco ,faltou alguem que pelo menos fosse capaz de correr atrás do jobson ,como o Fierro . Se o WL não vai mesmo utilizar os volantes da base ,temos que contratar urgente alguem para substituir o Willians ,espero que seja o Airton !!!!!Quanto aos numeros .podem enganar um pouco ,pois os adversarios foram fracos !!!!!!

fsg disse...

Excelentes números. Pena que as falhas individuais e as carências do elenco fizeram o time perder 2 pontos certos. Mas de tudo se deve tirar proveito: as deficiências ficaram expostas e a diretoria está se mexendo pra reforçar o time nessas posições (volantes e zagueiros).