terça-feira, 26 de julho de 2016

Brasileirão 2016: Flamengo 2 x 1 América-MG

O Flamengo só precisou de jogar os dez minutos finais do primeiro tempo e a metade inicial do segundo tempo para vencer o lanterna América-MG.

E conseguiu passar sufoco ainda: fez 2 x 0 e não conseguiu matar o jogo. Criou chances, ótimas oportunidades, mas não concluiu como deveria.

Bastou o adversário subir as linhas que o sistema defensivo não aguentou a pressão. Repare que no gol sofrido, os zagueiros ficam em desvantagem. O primeiro volante é o último a chegar.


Zé armou o time com os dois meias tão pedidos, mas o América se fechava bem com duas linhas de quatro. Faltava movimentação, apesar da intensa participação do Guerrero, que pedia desesperadamente para o time subir a marcação, mas Fernandinho não atendia aos apelos do peruano. E no ataque, quando desenvolvia alguma jogada, caía pedindo falta.

As melhores jogadas aconteceram no final do primeiro tempo com a participação do Mancuello. O gol não saiu por pouco.

A pressão continuou no começo do segundo tempo. O treinador armou melhor o time. Antes embolados, agora o Allan Patrick fixou-se pela esquerda e deixou Mancuello livre para flutuar.

Guerrero fazia com maestria o papel de pivô e o Flamengo crescia pela direita com Pará, em noite inspirada. Os dois gols vieram e por pouco não veio também o terceiro e o quarto.

Vale destacar a boa jogada ensaiada do escanteio, na bola rolada para Rafael Vaz, que encontrou Pará do outro lado e por pouco Guerrero não marca.

O jogo parecia controlado até o América-MG encontrar um gol. A leitura do Zé em tirar o Chiquinho e colocar o Vaz foi acertada. Mas o adversário descobriu as costas do Pará e foi por lá que eles se criaram e chegaram com perigo. O empate parecia ser questão de minutos, mas a incompetência mineira ajudou e o Rubro Negro saiu com a vitória.

Foram duas semanas de treino. O esquema se manteve, apesar da mudança de jogadores. Talvez o treinador já esteja preparando o time para a chegada do Diego. Entretanto, não foram atuações boas.

A zaga com Juan não demonstra a mesma confiança de antes com Rever e Vaz, especialmente nas bolas aéreas.

Apesar disso, o Flamengo segue no bolo. Agora a cinco pontos do líder.

domingo, 24 de julho de 2016

A inauguração da tão esperada piscina olímpica do Flamengo

Em 1965, no aniversário de 70 anos, o Flamengo inaugurava sua piscina olímpica. À época era considerada a mais moderna do país.


Em 04 de fevereiro de 2013 a piscina precisou ser interditada por vazamentos e estrutura comprometida. Além dos riscos para os atletas, o clube teve um prejuízo de meio milhão de reais em sua conta de água.

Mais de três anos depois o Flamengo volta a ter orgulho de uma de suas maiores tradição: o parque aquático. Foi inaugurada neste domingo na Gávea a mais nova e moderna piscina do mundo: Myrtha. Foram gastos cerca de R$ 7 milhões: uma parte via incentivo fiscal estadual da empresa Lafarge, uma outra parte em parceria com a Confederação Brasileira de Clubes e a outra gasta pelo clube.

A inauguração contou com diversos ex-atletas e autoridades do esporte. As raias foram batizadas em grandes nomes da natação Rubro Negra.

Raia 0 - Mariana Brochado
Raia 1 - Fernando Scherer
Raia 2 - Cristiana Lobo/Fernanda Veiirano
Raia 3 - Ricardo Prado
Raia 4 - Patricia Amorim
Raia 5 - Família Rômulo Arantes
Raia 6 - Fernanda Carsalade
Raia 7 - Jorge Fernandes
Raia 8 - Maria Elisa Guimarães
Raia 9 - Marcelo Jucá

Em 2012, com Patrícia Amorim, o clube voltou a conquistar depois de dez anos um título brasileiro. A equipe contava com diversos atletas da seleção e dois estrangeiros. Mas era um planejamento perecível e insustentável.

Lá no começo da gestão de Eduardo Bandeira de Mello, em 2013, o Flamengo precisou encerrar sua equipe adulta de natação. Além do rombo financeiro, a estrutura era deprimente. Como ter atletas do nível de César Cielo, Joana Maranhã, Daynara de Paula e não ter aonde treinar, apenas para ganhar campeonato?

A inauguração é um símbolo da reestruturação dos esportes olímpicos. Além do equipamento moderno, os atletas contam desde do ano passado com uma academia de ultima geração.

Os esportes olímpicos e especialmente a natação voltam a ser tratados como merecem.





quinta-feira, 21 de julho de 2016

Valor Econômico: "Flamengo campeão ajudaria demais"

Matéria do jornal Valor Econômico analisa que um título expressivo para o Flamengo seria uma das melhores coisas que poderia ocorrer para melhorar as finanças dos clubes brasileiros de futebol.

O jornal avaliou que o clube, que sempre teve má fama no mercado, é o responsável, sozinho, por 41% do resultado operacional recorrente desse conjunto de clubes em 2015.

Entretanto, falta um título relevante. O último foi o da Copa do Brasil de 2013.

Confira a reportagem:




quarta-feira, 20 de julho de 2016

A chegada de Diego ao Flamengo

Após tantas janelas sendo especulado, finalmente Diego vai jogar no Flamengo.

No último dia de negociação, o clube anunciou a a principal contratação do futebol brasileiro pela segunda vez seguida. Na temporada passada tirou o Guerrero do Corinthians. No começo, havia contratado o Cirino, então sensação da última edição do campeonato brasileiro.

Pode parecer demagogia, mas Diego veio porque quis realmente. Baixou a pedida salarial, abriu mão de R$ 12,7 milhões que tinha a receber até maio de 2017 e rescindiu seu contrato com o Fenerbahçe.

Acreditou naquilo que virou o Flamengo após anos de caos financeiro: um clube que cumpre com suas obrigações, que investiu em estrutura e que terá um CT de alto nível até o final do ano.

Hoje o clube começa a colher o aperto nas finanças de três anos. Muitos zombavam da torcida que "comemorava balanço", "comemorava superávit". Só ela sabe o que passou vendo o Rubro Negro sendo achincalhado pela imprensa e pelos rivais por anos.

Agora é hora de comemorar o Flamengo mandando no mercado e contratando os principais desejos dos clubes rivais.

Aos amigos que até pouco tempo desconheciam o que estava em curso na Gávea e agora estão super preocupados com a austeridade financeira do Flamengo, não se preocupem. O presidente responderá em caso de prejuízo financeiro e gestão temerária com seus próprios bens e para isso não precisou de seguir Medida Provisória do Executivo: o estatuto do clube já comporta sua própria Lei de Responsabilidade Fiscal com duras penas para mandatários irresponsáveis.

Evidente que reforço bom é reforço que dá resultado. E aí vem um problema que a diretoria ainda não conseguiu corrigir: novamente montou o time no meio do campeonato.

Mas o clube da Gávea conseguiu se manter no bolo do campeonato. Trouxe Damião e Donatti que ainda nem estrearam. Manteve Guerrero e tem ainda Éderson, Juan, Rever, Vaz, Allan Patrick, Cirino, Éverton, Cuellar, Arão, Jorge, Rodinei e Muralha.

Zé Ricardo tem nas mãos um elenco que há muito tempo um treinador Rubro Negro não tem. Cabe agora montar o melhor esquema de acordo com seus jogadores à disposição.

Dá pra montar no 1-2-1-2 com: Cuellar; Arão e Mancuello, Diego; Damião e Guerrero;
Dá pra montar no 2-3-1 com Cuellar e Arão; Mancuello, Diego e Allan Patrick; Guerrero

É fato que o Zé vai trocar pneu com o carro andando e as vezes sem tempo para treinar. Boa sorte pra ele!

terça-feira, 19 de julho de 2016

Com verba dos EUA, Flamengo renova seu ginásio de basquete; Piscina será inaugurada no domingo

Com a parceria do Comitê Olímpico Americano, o Flamengo reformou o piso do ginásio Hélio Maurício, e o espaço agora conta com eólicos e vaporizadores, que reduzem em 10 graus a temperatura ambiente, inclusive nos vestiários, além da iluminação led.

Os americanos do basquete vão estrear este novo ginásio.

 


E no domingo o Flamengo vai inaugurar a nova piscina com grande festa na Gávea. Fruto do investimento da verba oriunda da Confederação Brasileira de Clubes.





Sobre o percentual da venda de camisa de basquete para a modalidade

Os amigos do blog questionaram porque o basquete não recebe um percentual da venda de camisas pela Adidas.

Segundo informação da própria empresa, o manto Rubro Negro é o mais vendido em todo mundo, excluindo as franquias da NBA. Nos últimos 12 meses, cerca de 70 mil foram vendidas.

Entretanto, a informação é que nenhuma parte vai para os cofres do basquete. No contrato com a Adidas, não há o item "uniforme de basquete", apesar de contribuir para o clube chegar ao pool mínimo que tem que vender para começar a ter participação nas vendas.

E o pior: o basquete não pode buscar um fornecedor próprio.

Outro grande problema é que o marketing do clube é unificado e não setorial. E o foco, 99%, é voltado para o futebol.

Sem os R$ 2,5 milhões após a saída da SKY, o marketing é o responsável por buscar um novo aporte financeiro para a modalidade.

O basquete aguarda.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Ação do Jurídico do Flamengo resulta em economia de R$ 178 milhões dos cofres do clube

O departamento jurídico do Flamengo enviou aos sócios nesta manhã a prestação de contas referente ao primeiro semestre de 2016, com destaque para algumas vitórias importantes e que impediram o clube de gastar fortunas em várias ações.

O jurídico conquistou a ação movida em desfavor do Al Nassr, relativa à transação do atacante Hernane e o clube receberá o valor de R$ 12 milhões, referente à mula. Foi adquirido também um software desenvolvido especialmente para o Flamengo, que registra e mapeia todos os atletas que já passaram pelo futebol da base Rubro Negra, visando futuras negociações em que o Flamengo venha a ter direito. Já são mais de 500 atletas.

Confira algumas delas, que resultaram em uma economia de R$ 178 milhões de reais aos cofres da Gávea:




domingo, 17 de julho de 2016

Brasileirão 2016: Botafogo 3 x 3 Flamengo


O Flamengo novamente teve tudo para entrar de vez no G4 e cortar a diferença para o líder em três pontos, mas dessa vez o problema nem foi a falta ofensiva, mas aquilo que estava sendo um dos trunfos da equipe: as falhas defensivas.

Na estreia da nova arena na Ilha, Flamengo empatou com o Botafogo em 3 x 3, após estar vencendo por 3 x 1 e faltando 10 minutos para o final de jogo.

Assim como o contra o Atlético Mineiro a equipe não criou muitas chances, porém foi cirúrgico nas finalizações, aproveitando os erros da zaga alvinegra.

Foi um tempo para cada um. O empate do primeiro tempo parecia injusto para os donos da casa. Mas no vestiário o Zé organizou a equipe e com maior volume voltou melhor para a etapa final e conseguiu mais dois gols aos 11 e 22 minutos, mesmo sem apresentar um grande futebol.

Aí o Zé usou um recurso que vinha aplicando em alguns jogos e obtendo sucesso. Desta vez deu errado. Com o 3 x 1 resolveu tirar Éverton, o melhor da tarde, e colocar Cuéllar, e ainda Cirino para entrar Canteros, segundo o treinador, para ganhar o meio de campo: eram cinco volantes em campo.

Nem precisava disso, afinal o ideal era continuar buscando as bolas esticadas com os pontas, poderia ter mantido o nível ofensivo com o Thiago Santos e o Fernandinho, por exemplo. Falta ao Flamengo esse espírito de continuar incisivo, mesmo com o placar largo. Ainda falta o espírito vencedor pra ter uma sorte melhor neste brasileiro.

Zé Ricardo também errou tem ter voltado com Juan na zaga, justamente quando quando a dupla Revér e Vaz estavam tendo boas atuações.

Foi um empate com um péssimo sabor. O Flamengo novamente deixa para trás pontos preciosos, assim como contra o Fluminense, São Paulo.

Quando vence o senso crítico é menor, quando leva um revés o alerta é ligado. Que o Zé perceba que não precisa todo jogo recuar e chamar o adversário pro se campo.

Mas tem a chance de se recuperar contra o América-MG em casa. E que venha o Diego nessa semana decisiva da janela de negociação.