quinta-feira, 16 de março de 2017

Libertadores 2017: Universidad Católica 1 x 0 Flamengo


O Flamengo perdeu uma ótima oportunidade de ficar em situação favorável no grupo, ao ser derrotado pelo Universidad Católica por 1 x 0 com gol, jogando no Chile.

Essa é a derrota que mais machuca: o time domina completamente o jogo, mete bolas na trave, perde oportunidades, porém, em rara chance, o adversário faz o gol e garante os três pontos.

E o pior: o Rubro Negro terá que esperar até o 12 de abril para o decisivo jogo contra o Atlético Paranaense, em casa, pela terceira rodada.

Esse é Flamengo tradicional jogando uma Copa Libertadores. Mesmo com jogadores mais experientes, um elenco mais forte, ainda falta aquele espírito copeiro, de decisão. E ainda teve jogador experiente caindo na catimba adversária: Guerrero, Diego, que fez uma falta desnecessária e o Berrío, atual campeão da competição, que foi expulso. E o pior: se o árbitro colocar na súmula que foi agressão, a punição será de três jogos. Na Conmebol, a pena é automática.

Após essas considerações, é preciso dizer que o Flamengo não foi covarde e que Zé Ricardo não foi defensivo com seus "três volantes". É incrível como repetem os mesmos clichês e muita gente caí nesse papo.

Sem Mancuello, parecia que a única dúvida seria entre Berrío ou Gabriel. Pelo segundo tempo contra o San Lorenzo, os quatro gols e o bom futebol, a opção pelo colombiano era plenamente factível.

Mas não foi isso que o Zé Ricardo pensou. A escolha pelo Márcio Araújo à frente dos zagueiros, com a linha de quatro à frente tendo Arão, Rômulo, Diego e Éverton foi surpreendente. Porém, dentro de jogo, se mostrou perfeitamente aceitável.

O time dominou completamente a primeira etapa, com posse de bola e total controle do meio de campo. Apesar de não ter jogadores em velocidade, o Flamengo chegou várias vezes ao ataque e poderia ter saído com 2 x 0 tranquilamente.

É curioso: reclamam tanto que o treinador não tem repertório, quando ele monta um esquema específico para um jogo, surpreende o treinador adversário (Mario Salas revelou que esperava o Bérrio de titular) e joga bem, contra todos os prognósticos, inclusive deste blog, é criticado.

A crítica, a meu ver, precisa ser centrada nos erros de finalização, especialmente do Guerrero. Ele que vinha com boa margem, com média de quase um gol por jogo, entretanto, depois do pênalti perdido contra o San Lorenzo voltou a ficar irritado com a marcação adversária. O peruano teve seis oportunidades, sendo quatro dentro da área e não conseguiu o gol. Por infelicidade também não fez outro gol de falta.


Ainda teve a clara chance do Arão no primeiro tempo e a cobrança de falta do Diego na trave. Inacreditável!

No segundo tempo o Zé Ricardo deve ter ficado com o dilema: tento ganhar o jogo ou fica na minha situação confortável levando um ponto na bagagem. Resolveu partir para ganhar, tirando um volante e colocando o Bérrio. A partir daí a equipe chilena passou a ficar mais tempo em seu campo de ataque e o Flamengo se posicionando para o contra-ataque.

Bérrio, que já utilizou sua presença física para desequilibrar o adversário, dessa vez foi a vítima e não conseguiu bloquear a subida do Santiago Silva. Depois do gol o Flamengo desmoronou.

Há problemas a serem corrigidos e muitas críticas justas que o Zé merece ouvir, mas dizer que o time foi covarde, que não honrou a tradição do clube é absurdo. É preciso relembrar: o Rubro Negro foi eliminado nas duas últimas Libertadores na fase de grupos e o histórico de vexames é frequente. Não é porque ele não utilizou o jogador que a maioria queria que está errado, ainda mais porque sua ideia deu certa dentro de campo. E isso é mais importante do que conceitos pré-formados.

Um dos pontos que precisa ser questionado é a saída de bola, que está à cargo do Rafael Vaz. Seja com qualquer volante, é sempre dele essa função. É óbvio que tem algo de errado aí.

Na partida de ontem, Vaz errou oito dos nove lançamentos que tentou. Novamente entregou o ouro pro adversário. Se jogar de forma discreta e consciente de suas limitações, como o Réver é, tem tudo pra ter boas atuações. O duro é jogador médio se achando o craque.

Não tem nada perdido. Como escrevi após a goleada contra o San Lorenzo: cada jogo é uma história. Contra os argentinos foi uma noite brilhante. Contra os chilenos o Flamengo teve tudo pra fazer seis pontos no grupo e encaminhar a classificação, agora terão dois jogos decisivos contra o CAP.

17 comentários:

CBM disse...

Colocar 3 cabeças de área, sendo eles o Márcio Araújo é querer arrumar problema. É preciso muita certeza de um bom resultado do contrário irá ouvir críticas, então o treinador quis arrumar problema para si, para os jogadores e para o time. Perdeu agora aguenta.
O domínio do Flamengo no primeiro tempo não foi tão grande assim, o time estava lento, com saída de bola ruim e dificuldades para atacar e ter jogadores na área. Arão e Rómulo estavam visivelmente incomodados de estarém fora de sua posição. O Rómulo então sofreu para burro quando recebia bola de costas para o gol, enquanto que o Márcio Araújo sendo lento e ineficiente na saída de bola.
As principais chances foram de bola parada e erros do time do Chile(como o lance do Arão). A lence que marcou o primeiro tempo, o Trauco foi no fundo e cruzou para trás e o Arão ficou parado sem movimentar ou antecipar não é o jogador da função.
Já no final do primeiro tempo(30 minutos) o time chileno conseguiu espaçar bem o campo e ficar mais com a bola, os primeiros 15 minutos do segundo tempo o Flamengo estava acuado, o Berrio entrou e não conseguiu mudar o panorama, a saída de bola continuou ruim e o Márcio Araújo lento na mesma.
Detalhe do gol, o Evérton saiu e o Gabriel entrou, quem foi cobrir o lance foi o Diego que fez a falta que redundou no gol, seria melhor o Márcio Araújo cobrir o Evérton e o Diego fechar o meio enquanto o Gabriel atravessava o campo, depois do gol foi só desespero, pois é só isso que nosso técnico faz quando perde enche o time de centroavante.
Péssima atuação do Guerreiro deveria ter saído, mas o técnico teve que usar substituições para desfazer o esquema horroroso.
Tudo que foi feita com 3 cabelas de área no primeiro tempo poderia ter sido feito com 2 de forma mais eficiente, a atuação ruim do Guerreiro poderia ter sido sanada e time vencido, mas o nosso técnico resolveu arrumar um lugar para Márcio Araújo e se deu mal. Até nisso ele foi errado, poderia ter botado o Cuellar e deixado o Rómulo na dele e o Arão na dele e deixado o Cuellar avançar afinal não é isso que ele diz que o Cuellar sabe fazer???
Zé Ricardo vai acabar se afundando em todos os jogos decisivos.

Guilherme disse...

Fomos surpreendidos com a escalação de Rômulo, Arão, Márcio Araújo e Diego no meio de campo. Uma opção que deu muito certo. Dominamos o tempo todo, duas bolas na trave, adversário sem levar perigo ao nosso gol, tudo ótimo.

Eu me lembro que lá pelos 25 minutos do segundo tempo olhando o jogo pela tevê eu me diverti. O adversário jogando em casa, precisando do resultado e o Flamengo é que tomava a iniciativa, muito mais próximo do gol. Naquela altura, no mínimo a gente saía do Chile com um empate, que seria bom para nós. Talvez a vitória, com um gol.

Aí, José Ricardo coloca quem para jogar a Libertadores? Gabriel.

O que aconteceu? O time desmontou completamente. Jogador sem pegada, sem sangue, sem dar liga, que nunca acrescenta em jogos grandes, ele sumiu em campo, não atacou, não defendeu, sequer tocou na bola, não fez absolutamente nada.

Ele entrou no lugar do Éverton que marca bem e chega com velocidade no ataque. Diego foi fazer essa marcação na lateral, fez falta grotesca, levou cartão, defesa olhou atacante deles subir sozinho na cobrança da falta e fazer o gol. Berrío caiu de modo infantil na provocação do adversário e terminamos o jogo com o time completamente perdido em campo, com o Univ. Católica conseguindo ter o controle do jogo no final.

Qualquer semelhança com a destruição do time naqueles jogos contra Internacional e Atlético-MG quando o Zé colocou o chupa sangue Alan Patrick é uma óbvia evidência de que o nosso treinador não tem preparo para escalar os jogadores que realmente acrescentam, fazem a diferença, tem fibra e se importam com o resultado.

Treinador mostrou-se inteligente em boa parte do jogo, se preparou, mas voltou a cometer os mesmos erros do passado ao colocar em campo um jogador que não tem condições de vestir a camisa do Flamengo, isso já sabemos há anos e ontem isso ficou evidente. Gabriel entrou e sumiu em campo. Não tem a menor condição de disputar uma Libertadores que exige raça e coração.

Mais um erro da diretoria amadora ao renovar com ele e, inexplicavelmente, por dois anos.

Estamos pedindo há 5 anos que a chapa azul coloque alguém que entenda de futebol no comando do futebol. Os resultados mostram que o amadorismo, mesmo tendo-se gasto R$ 600 milhões no futebol nos últimos 5 anos, não está dando certo. Querer que amadores sejam campeões, ganhem grandes títulos, tomando decisões de improviso, em reuniões que só servem para massagear o ego de executivos, que nada entendem do que estão decidindo, dá nisso.

Mais um fiasco da Ferrari, agora contra o chevette Univ. Católica.

A renovação do Éderson também é inexplicável. Jogador que passa a carreira no depto. médico.

Jogador bom é jogador que joga e acrescenta para o time. Que nos ajuda a ganhar jogos.

Barreto disse...

André,


Concordo com você. Zé Ricardo foi mito feliz na escalação que surpreendeu a todos. Não tenho mais paciência para ouvir comentários sem fundamentos, simplesmente porque o time predeu. Eu sei que a maioria dos torcedores só agem com paixão mas isto é muito chato. Criticam os 3 volantes de ontem , mas esquecem que o melhor desempenho do time ontem foi exatamente com estes 3 volantes. Acho que Marcio não deve ser titular absoluto, como antes mas pode perfeitamente ser usado em um ou outro jogo específico de acordo com as características do adversário. José Ricardo ontem esteve muito bem no comando do time. DE qualquer forma ele precisa avaliar melhor a titularidade absoluta do Rafael Vaz. No mais tudo não passa de corneta de torcedor fanático.

lluigi disse...

Sinceramente, dá até raiva da torcida do Flamengo às vezes. É um imediatismo, uma insegurança, um sei lá o quê que eu não lembro de ter visto em outros tempos. Será que é fruto da nossa expectativa de ter um supertime, de acordo com as promessas da diretoria? (e por acaso não temos uma excelente equipe que acabou de ficar 19 jogos invicta?). Só que nenhum time ganha todas, nenhum time joga bem em todas, porra, se nossa torcida fosse pelo Barcelona, pediriam a saída do Messi, do Neymar, do Luis Enrique, após todo empate ou derrota.

Caralho, tem que parar com essa bipolaridade, quando o time caiu de rendimento no final do BR, era falta de variação tática do técnico. Aí quando ganhamos do Vasco, o técnico é o melhor do Brasil. Aí empata com o Flu, e pronto, voltamos a ser um time de merda, sem defesa nenhuma, ninguém presta naquela porra, volta Márcio Araújo, Abel deu nó tático no Zé. Tudo por causa da porra de um empate, o Flamengo ficou num inferno que parecia que estávamos fazendo uma campanha tipo a do Vasco (essa sim digna daquelas reações). Ganhamos do San Lorenzo e voltamos a ser o melhor time da América. Aí vamos pro Chile, onde, se vc perguntasse pra maioria dos torcedores "um empate seria bom", e perde (ou seja, um resultado normal, que já o empate seria bom), jogando melhor que o adversário, e é crítica pra todo lado, pro Zé Ricardo, pro esquema tático, pra postura do time, pro goleiro, pro zagueiro, pro atacante... sendo que se apenas dois lances do jogo fossem diferentes, sei lá se a bola do Diego no travessão fosse gol e se a cabeçada do Tanque fosse pra fora, e todo o resto fosse igual, a análise seria COMPLETAMENTE diferente por parte destes torcedores e de vários "comentaristas". Seriamos o melhor da América, imparável, rumo ao bi, cheirinho e sei lá o que mais.

Fico feliz que neste blog consigo encontrar uma análise equilibrada. Parece que todas as outras são feitas no calor do momento e de forma irracional. Engraçado que naquela entrevista aqui postada em que citou-se o fato do Palestino ter estudado 40 horas de vídeo do Flamengo, e isso ter sido fundamental para eles nos vencerem, era unanimidade de que os times brasileiros subestimam seus adversários na Libertadores e não se preparam para enfrentá-los como deveriam. Aí quando o Zé Ricardo apresenta uma formação específica para enfrentar a Católica E QUE FUNCIONOU NO JOGO, controlando a partida na maior parte do tempo, é criticado dizendo que pensou demais no adversário, que cadê o padrão tático do Flamengo, e bla bla bla. Pelo estilo que conhecemos do Zé Ricardo, é de se imaginar que ele vem estudando o Católica a semanas.

Da análise do jogo, assino embaixo do post. Só gostaria que mais rubro-negros conseguissem enxergar algo além do resultado. Ganha => excelente, empate ou perde => horrível. Nossa torcida está reagindo assim desde o fim do ano passado...

lluigi disse...

Guilherme, também não me agrada o futebol do Gabriel, mas dizer que ele "que nunca acrescenta em jogos grandes" 1 semana depois do jogo contra o San Lorenzo me parece ou uma análise imprecisa ou uma memória fraca.

Além disso, é sabido que a função dos pontas quase sempre requer uma substituição por cansaço no esquema do Zé. Ou seja, vamos considerar que a substituição do Éverton tinha que ser feita. Ele colocou em campo Berrio e Everton, quem mais poderia entrar nessa função?

lluigi disse...

E pra finalizar: a falta do gol ocorreu 13 segundos após o Gabriel pisar em campo. Não havia nem dado tempo pra ele chegar no lado esquerdo do campo quando a Católica estava no ataque e o Diego fez a falta. Obviamente que não foi falha dele a falta que gerou o gol; além disso, pra mim é muito mais provável que a razão para o time se perder foi levar o gol, e não a entrada do Gabriel.

Anônimo disse...

André! Aprecio demais seus textos, mas me desculpe. Isso é balela de mesa redonda. Os grandes times europeus jogam com a mesma escalação independente do lugar e campeonato. Entrar com três volantes é se acovardar. Par mim , foi medroso.

Marcel Freitas disse...

Concordo com a sua análise André, por mais que jogar com 3 volante levasse a crer que o time iria jogar na retranca não foi o que aconteceu. Apesar do resultado, considero que o Flamengo fez um bom jogo, principalmente no 1º tempo.
O Arão jogou com muita liberdade pela direita chegando muito ao ataque. Já pela esquerda, o Rômulo não exerceu o mesmo apoio ao ataque (talvez por opção tática). Interessante destacar que era como uma espécie de volante pela esquerda, justamente como o Rômulo jogou ontem, que tanto o Mancuello como o Cuellar jogavam antes de chegar ao Flamengo. Aliás o Mancuello chegou a jogar assim com o Muricy.
Por fim, concordo com você que não podemos cair no discurso de "terra arrasada". Agora e ter paciência e aguardar a próxima rodada da Libertadores. Não há nada perdido.

SRN!

Anônimo disse...

Eu fico me perguntando pra contratação o Donato pra ficar na reserva desse sagueeiro meia boca do Vaz não aguento mais a bola vem pra ele bico pra frente falta pro Flamengo tala ele querendo bater pênalti tala ele querendo bater não da pra entender o treinador o cara era reserva no Vasco um time meia boca e no Flamengo e titular e bricadeira

Marcel Pereira disse...

André
Concordo totalmente, Zé Ricardo acertou em todas as escolhas que fez nesse jogo. A culpa dá derrota é do Guerrero, que parecia um poste e não conseguia dominar uma bola nem levar vantagem em nenhuma jogada, é do Arão, que perdeu um gol feito.
Entendo as críticas ao Vaz. Mas me pergunto se dá para jogar com Rever e Donatti, os dois jogam pela direita, são altos, tem risco de ficar uma zaga lenta e o que é pior, com o lado esquerdo desprotegido, exatamente onde hoje temos o calcanhar de Aquiles desse time, a cobertura às costas do Trauco.
SRN,
MP

João Duarte disse...

André!

Completamente off topic, mas o que aconteceu com o Povoa? Até onde eu tinha entendido ela tava pra sair do clube, mas continua como VP. Hoje, em entrevista ao GE, ele disse que continua como VP.

O que aconteceu (de bom) pra ele ficar?

Grande abraço

Claudio disse...

Pelo Campeonato Sul Americano Sub-17:

Brasil 3 x 0 Colômbia. Dois golaços do Vinícius Júnior.

Diretoria, aumenta o valor dessa multa rescisória.

O garoto é muito craque!!!

CBM disse...

Não me considero imediatista. Não acho que a atuação do time no primeiro tempo foi boa. Apenas regular a única oportunidade clara foi do Arão e numa cobrança de lateral em que a defesa cabeçeou para trás errado no meio da área. O goleiro chileno fez uma defesa difícil. Foi visivel a dificuldade de ter jogadores na área no primeiro tempo e a falta de aptidão quando o Arão ou Rómulo entrava. O Rómulo teve muita dificuldade em jogar de costas para o gol. O time foi lento e a saída de bola enrrolada inclusive a bola voltava muito no Vaz que apertado tentava lançar e por conta disso todo mundo cai na pele dele.
Já no final do primeiro tempo o time chileno conseguiu se espaçar melhor no campo ficar com a bola muito tempo e tentar esticadas que começaram a funcionar e continuaram no início do segundo tempo e o Flamengo começou a ser empurrado para trás. A entrada do Berrio restabeleceu um equilíbrio com o Flamengo melhor no jogo, mas o time levou o gol na situação da troca do Evérton pelo Gabriel, o Diego foi cobrir o espaço (não teria sido melhor o Márcio Araújo, com o Diego mas no meio????) Fez a falta e o Flamengo levou o gol.
Não acho que 3 volantes seja a forma mais eficiente de jogar. Não acho que o Márcio Araújo tenha sido a melhor escolha na escalação em função da sua limitação, Rómulo e Arão tiveram posicionamento alterado e estavam visivelmente com dificuldades para fazer o que o posicionamento exigia. Visivel que o time ficou muito nervoso no jogo, se isso foi efeito da escalação e posicionamento dos jogadores e o andamento do jogo e complicado de afirmar.
Fato o Zé Ricardo resolveu arrumar uma variação tática que gera críticas, ele poderia ter feito várias escalações diferentes que teriam menos efeito na mudança de posição dos jogadores e geraria menos críticas na torcida.
Poprque não escalou o Cuellar e o Berrio de início no lugar do Everton, o Everton como segundo atacante não é uma boa escolha, volta muito e deixa o Guerreiro muito isolado. O Cuellar é mais técnico e não tem a rejeição do Márcio Araújo e deixaria o Rómulo na posição dele. Poderia ter puxado o Everton para jogar no meio como um terceiro volante(ele já fez isso para burro no Atletico-PR) e colocado o Berrio na frente. Em suma ao colocar o Márcio Araújo e o time perde ele se expõe as críticas é o caminho que ele escolhe.

André Amaral disse...

João Duarte

Não sei. Ele saiu de férias no final do ano e voltou. Devem ter se acertado.

Antônio Neto disse...

É inacreditável que a CBB tenha escolhido como novo técnico da seleção o Guerrinha e não o José Neto.

Obs: Sei que o assunto não encaixa aqui, mas eu fiquei maluco com essa notícia. É inacreditável!

Cadu Rollo disse...

Esse foi um daqueles jogos duros de aceitar.

O time tava muito bem, foi um domínio bem grande sim. O time tirou de letra a pressão do estádio e fez a torcida adversária perder o impeto com o domínio. Tinhamos tudo pra sair de lá com 3 pontos. 1 ponto estava garantido. Mas futebol é isso aí.

Sou um grande crítico do Zé, mas a escolha pelos 3 volantes deu muito certo. Depois pode-se criticar as duas mexidas, talvez não precisássemos botar o Berrío e (muito menos) o Gabriel. O ritmo de jogo estava perfeito, mas enfim.

Faz parte perder, e que bom que foi num momento que ainda podemos recuperar. Não poderá acontecer na fase de mata mata.

É triste pensar que poderíamos estar realmente indo pro próximo jogo com total tranquilidade e isso se reverteu e vamos com MUITA pressão, visto que não podemos perder pontos dia 12 de abril.

Mas é importante ver o time crescendo, jogando tudo o que está jogando. Temos time, temos elenco, enfim, temos tudo pra ganhar a Libertadores esse ano. Vamos acreditar.

Claudio disse...

Brasil Campeão Sul Americano Sub-17!!! Parabéns Seleção Brasileira!!!

Brasil 5 x 0 Chile.

Parabéns aos nossos jogadores que vestem muito bem a camisa da seleção e ganham títulos com ela: o lateral Wesley e os atacantes Lincolm e Vinícius Júnior, este, eleito craque do campeonato e foi artllheiro da competição.

Os mesmos jogadores já tinham ganho o título no Sub-15. Parabéns!!!

Flamengo 1 x 0 Resende, maravilhoso cruzamento do Cafú e linda cabeçada do Felipe Vizeu. É a base do Flamengo sendo produtiva, revelando jogadores talentosos, focados, vencedores!!! Parabéns a todos e muito obrigado pelas alegrias!!! Parabéns a quem trabalha muito bem na base do Mengão!!! Muito obrigado pelo ótimo trabalho produzindo grandes jogadores!!!