domingo, 4 de dezembro de 2016

Flamengo tem ano de ouro em suas divisões de base, desafio agora é acertar na transição


O Flamengo viveu um ano muito feliz nas divisões de base. A equipe conquistou os Estaduais sub-13, sub-14, sub-15, sub-17, ficou em segundo no sub-20, porém ganhou o Torneio Otávio Pinto Guimarães sub-20, além da Copa São Paulo no começo do ano.

Ainda sem um Centro de Treinamento qualificado para suas promessas - a expectativa é que a obra das divisões de base comece em 2017, o clube já começa a desfrutar do bom trabalho realizado Carlos Noval, diretor executivo do Flamengo, bem como da boa captação de talentos pelo Brasil.

Além dos títulos, o mais importante é que uma boa safra está surgindo. Segundo os analistas que acompanham a base - fora da Gávea, o sub-20 nem é tão talentoso, mas as divisões abaixo são preciosas.

Mesmo perdendo o estadual da categoria para o Botafogo nos pênaltis e sendo eliminado do Brasileiro e da Copa do Brasil, o Rubro Negro conquistou o Torneio OPG sub-20 vencendo o Vasco.

Destaque é o atacante Daniel dos Anjos, que estoura a idade de júnior e em 2017 terá que ser integrado à categoria adulta. Além do meio campo Gabriel Ramos.

Lembrando que já estão na equipe adulta o zagueiro Léo Duarte, o volante Ronaldo, o meia Paquetá e o atacante Vizeu.

No sub-17 o resultado é o mais expressivo. A equipe não perde há mais de um ano, conquistou o estadual de forma invicta, levando a Taça Guanabara e a Taça Rio. Foram 25 jogos, com 17 vitórias e oito empates.

Na decisão do segundo turno, o Rubro Negro atropelou o Vasco, ganhando o primeiro jogo por 4 x 0 e o segundo por 6 x 1.

Destaques para Lincoln, artilheiro da competição com 22 gols, Bill com 15 gol, Vinicius Júnior - a maior promessa, com 13 gols e Yuri com nove gols.

No sub-15, o Flamengo conquistou a Taça Guanabara contra o Fluminense. Na final do estadual contra o Botafogo, empate em 2 x 2 no primeiro jogo e vitória por 2 x 1, que valeu o título do campeonato.

Arthur foi o artilheiro com 15 gols.

No sub-13, o Flamengo derrotou o Vasco na final vencendo por 2 x 0 e no sub-14 por 1 x 0.

No sub-11 e sub-12 foi finalista, entretanto perdeu ambas as finais para Vasco e Fluminense, respectivamente.

O desafio é acertar na transição, no tempo certo, além da necessidade de condições estruturais e fisiológicos para a quantidade de bons jogadores que surge nas divisões de base.

Ao mesmo tempo que não dá pra colocar um punhado de jogadores da base no time adulto sem qualquer experiência, uma proteção excessiva também não é o correto. O campeonato carioca está aí para ser uma boa oportunidade para essa garotada

3 comentários:

Anônimo disse...

MDaemon

Na ânsia desvairada de conseguir montar uma equipe de futebol que conquiste todos os títulos possíveis e imagináveis deste planeta, as direções do Flamengo de quase todas as épocas, pecam em menosprezar os jovens promissores que surgem no futebol da base rubro-negra, todos os anos. Em 2017 não será diferente, tendo em vista que a urgência em conquistas vem na frente!
Já que desprezam a base poderiam pelo menos seguir o exemplo de Gestão, altamente vitoriosa, do elenco profissional do FlaBasquete sem nenhum esforço, ali ao lado no Ginásio Hélio Maurício!!!
Saudações rubro-negras

Anônimo disse...

Apenas um detalhe, em meio ao notório bom desempenho.
Fui ao segundo jogo da final do Estadual sub-20, contra o botafogo. Foi a maior roubalheira que já presenciei dentro de um estádio de futebol.
Botafogo teve o direito de bater a vontade, nos 15 min finais do primeiro tempo. Chegou ao cúmulo de um jogador deles, ao tentar bater um lateral rápido, agredir nosso jogador, no rosto, na frente do juiz e nada acontecer. Mateus Sávio, capitão, TENTAR falar com o árbitro e ser covardemente amarelado.

Se fosse várzea, com certeza sairia uma briga generalizada ou o Flamengo tiraria o time de campo.

Enfim, não muda o bom desempenho, não altera o panorama mas serve para mostrar que poderíamos estar até melhores.
E que sirva de alerta contra a FFERJ.

Paulo Henrique do Nascimento Silva disse...

Excelente matéria. Muito me anima os jovens Lincoln e Vinicius Júnior. Além de jogarem muito, são jogadores que estão amadurecendo psicologicamente rapidamente (principalmente o Lincoln), talvez pelas sucessivas convocações pras seleções de suas categorias. Não foi destacado na matéria mas merece muita atenção o lateral direito Wesley. Os 3, desde o sub-15 são convocados regularmente pra seleção. Hoje são titulares da seleção sub-17. Enfim... Essa safra nos reserva coisas muito boas. SRN