quinta-feira, 3 de maio de 2012

Empresa faz análise sobre o balanço financeiro do Flamengo

A Pluri Consultoria aprensentou algumas considerações sobre o balanço do Flamengo. Confira na íntegra aqui.



Também foi avaliado o nível de transparência, que no Flamengo não foi nada bom, como por exemplo, a falta de um link na página inicial do site onde seja possível encontrar além de 2010, os balanços dos anos anteriores e os balancetes trimestrais.

A análise também cobra do Flamengo uma clareza maior nos números apresentados, justamente nos ítens onde a maioria dos analistas tiveram dúvidas:

As boas práticas recomendam que as notas explicativas devem apresentar informações qualitativas e quantitativas de maneira ordenada e clara para que seja exaurida a capacidade de comunicar aspectos relevantes do conteúdo apresentado nas demonstrações. No Balanço do Flamengo há contas que não apresentaram maior abertura, apesar de seu valor relevante, são elas: Credores diversos (R$ 16,1 milhões), Contas a Pagar (R$ 22,9 milhões), Receitas Diferidas (R$ 281,3 milhões) e Despesas Gerais do Futebol (R$ 40,5 milhões).

São apresentados gráficos que mostram a evolução da dívida Rubro Negra. Em 2006 era de R$ 271 milhões, em 2010 era de R$ 342 milhões e ano passado chegou na casa dos R$ 355 milhões.

Quer dizer: aquele valor que beirava o meio bilhão de reais não condiz com a realidade. O fato é: a dívida aumentou, e Patrícia Amorim não vai entregar um clube melhor do que encontrou.

Ainda aparecem outras falhas que dificultaram a análise mais precisa sobre o balanço por simples falta de apresentação de documentos:

1) Não foram respondidas a tempo as cartas de circularização dos fornecedores, bancos, empréstimos bancário e principais credores, "representando, assim, uma limitação do escopo de nossos trabalhos, vez que os testes alternativos não puderam ser aplicados para constatação das liquidações subsequentes; além dos advogados do clube a respeito dos processos judiciais em andamento no qual o clube figura como réu";

2) Não foram respondidas a tempo as cartas de circularização dos advogados do Clube sobre a situação atual de processos judiciais em andamento, nos quais figura como réu. "Dessa forma, não pudemos observar se existem outras contingências além das demonstradas no balanço de 31/12/2011";

5 comentários:

MBomfim disse...

André, entendo a sede por críticas mas pera lá...na minha opinião, a consultoria deixa claro que houve melhoras substanciais (veja o primeiro quadro), posição essa já mencionada pelo Felipe em post anterior (diz ele... "melhora significativa") apesar de pesar sobre o balanço algumas considerações e dúvidas. E na minha modesta opinião, com base no balanço, o clube está melhor SIM, não é o ideal, o melhor dos mundos, mas está melhor SIM. Tanto do ponto de vista patrimonial (veja valorização) quanto pelo financeiro se considerarmos esse balanço! E André, não sou partidário de A ou B, acho inclusive a Adm. da Paty no futebol calamitosa, mas mudanças de rumo não se fazem no curto prazo, três anos é muito pouco tempo...é preciso tempo, e, se os dados disponibilizados nesse balanço forem verídicos (sabe como são as coisas), enxergo sim uma melhora bem significativa, como já disse nosso amigo contador Felipe.

Felipe disse...

André e amigos, achei muito interessante a análise da Pluri, é um bom parâmetro para compararmos a variação dos números de um ano para o outro, entre outros dados. Porém, esta análise é basicamente um comparativo de números e estatísticas e devemos tomar cuidado ao fazer uma análise fria de dados, principalmente quando se tratam de dados financeiros.
Uma infinidade de índices e indicadores podem ser usados em análises de balanços, vou me concentrar no que acho mais importante para explicar a situação do nosso Flamengo, o capital de giro. Capital de giro nada mais é do que os recursos que uma empresa usa para basicamente funcionar e sustentar as operações do dia-a-dia. O cálculo é bem simples, basta diminuir o Passivo Circulante (PC) do Ativo Circulante (AC). No caso, o PC do Flamengo é bem maior que o AC, ou seja, o Flamengo não tem nenhum capital de giro. O que isso significa? Bom, significa que temos mais contas vencendo do que dinheiro pra pagar, isso gera uma dependencia de capital de terceiros (empréstimos) para que o clube possa funcionar e isso explica a quantidade de dívidas com empréstimos e financiamentos que estamos vendo e tambem explica o motivo de tantas notícias de atraso de pagamento que nós torcedores já estamos cansados de ver. Sabe quando a gente pensa "por que diabos esses incompetentes não pagam os jogadores direito?", então, o Flamengo PRECISA de empréstimos para funcionar e imagino que não seja a coisa mais fácil do mundo conseguir um empréstimo para uma instituição que tem uma fama de inadimplente tão grande.
Vcs provavelmente estão pensando "Com uma situação dessas, como vc disse que a situação melhorou?". Eu explico. É importante todos entenderem uma coisa: enquanto o capital de giro for negativo as dívidas não vão diminuir, até porque mais dívidas são criadas para o próprio funcionamento do clube. Enquanto o PC for maior que o AC as dívidas vão crescer inevitavelmente, mas é importante que cresçam na menor proporção possível. E como melhorou? Bom, no balanço de 2009 o AC era cerca de 1/5 do PC, simplificando, era 1 real pra pagar quase 5 reais de dívida. Em 2010 o cenário já mudou pra 1/3, e em 2011 o AC já é quase 1/2 do PC, e isso é uma melhora significativa para um período de apenas 2 anos.
Outra coisa, apesar do clube já gerar um resultado operacional positivo, o que acaba causando o déficit no final são as despesas financeiras que nada mais são do que juros, encargos e multas dos empréstimos/financiamentos que são feitos para sanar a falta de capital de giro.
E qual seria a solução pra tanto caos? É impossível cortar custos já que um time de futebol profissional do nível do Flamengo é caro e precisa ser para se manter competitivo. A única solução é aumentar as Receitas, e é aí que a administração atual merece críticas. Segundo os números da Pluri, 51% das nossas receitas vem da televisão e apenas 24% do marketing. Publicidade não é a minha área, mas chega a ser óbvio que um clube da dimensão do Flamengo pode arrecadar muito mais com a exposição da marca. Os números atuais chegam a ser ridículos.
No caso de uma empresa, outra solução seria a abertura de capitais, vejo muita gente que defende que os clubes brasileiros sejam transformados em empresas como é feito em vários clubes da Europa e os números mostram que isso é possível. Não sei a sua opinião sobre isso André, mas eu particularmente não gostaria de ver o nosso clube de coração nas mãos de acionistas sedentos por lucro.
É isso amigos, tentei simplificar mas o texto acabou ficando enorme do mesmo jeito, espero que tenha ajudado.
Abraços.

André Amaral disse...

Obrigado Felipe.

Luciano disse...

Esse comentário do Felipe deveria se tornar um Post.

Marcelo disse...

Excelente a análise do Felipe. Vejo outra opção para aumento de receita, que é nos esportes olímpicos. Parte do déficit vem dessa área. Torço muito pro Mengão em todos os esportes, adoro ver o time de basquete jogar, gostei muito do título brasileiro na natação, tenho orgulho do grande time de ginástica que temos, mas eles têm que se manter, ou, ao menos, gerar um déficit bem menor. Não acho o fim do mundo tirar um pouco da receita do futebol pra bancar outros esportes, já que um valor pequeno pro futebol pode significar o orçamento de um ano inteiro pra outros esporte. Mas acho que o Fla, com os atletas de ponta que tem, deveria conseguir mais receitas próprias para os esportes olímpicos.