segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Brasileirão 2014: Vitória 1 x 2 Flamengo


De único time que não marcava gol fora de casa a cinco vitórias seguidas, sendo três fora de casa. Esse é o Flamengo do Luxemburgo-humilde, que ontem venceu o Vitória por 2 x 1 e agora está com 25 pontos: a sete da Libertadores e a oito do rebaixamento.

É uma sequência realmente incrível. Se Luxemburgo errou feio ao desmotivar e desprestigiar a Copa do Brasil - espero que ainda tenha salvação, acerta ao montar uma equipe correta, ajustada, confiante na defesa e que não oscila no Brasileirão.

O padrão tem sido o mesmo dos últimos jogos. Com um Flamengo bem distribuído, diversos jogadores que não vinham bem cresceram, como o Éverton, um dos melhores dessa sequência.

O Vitória começou melhor, mesmo sem ameaçar o Paulo Victor, mantinha a bola mais no seu ataque. O Flamengo tinha em Éverton sua melhor jogada pela esquerda. Foi de lá a primeira bola na trave ao seu melhor estilo: velocidade e chute rasteiro. O time da casa reagia também com seu jogador mais veloz: Caio.

Éverton jogava sozinho. Paulinho em péssima fase e Alecsandro lento não acompanhavam a velocidade do seu colega. Márcio Araújo, vejam só, chegava inteiro e bem como atacante e foi um dos melhores.

Após o gol de Marcelo o time cresceu, encontrou os espaços e poderia ter ampliado. Entretanto levou um gol de forma estúpida e o fim do primeiro tempo foi um alívio.

No segundo tempo Márcio Araújo outra vez voltou a cair como atacante e teve três ótimas chances com uma bola na trave. Apesar de Paulo Victor ter salvado de forma incrível, era o Flamengo quem dominava o jogo, segurava a bola no ataque e sofria pouco perigo. Fazia uma segunda etapa melhor do que a primeira, demonstrando ter evoluído seu preparo físico.

Com o pênalti cobrado pelo Alecsandro, o Flamengo voltou a liderar o placar. Mas Marcelo estabanado tocou pela segunda vez com a mão na bola, a sorte foi que Paulo Victor defendeu e garantiu a quinta vitória seguida Rubro Negra.

Diferente de quarta-feira, foi bom ver o Luxa gritando com o time até o final pra apertar na marcação. Que mantenha o espírito pra quarta-feira.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Copa do Brasil 2014 - Oitavas de final: Coritiba 3 x 0 Flamengo

Ainda sem entender porque um time que vive sua melhor fase no Brasileirão, encorpado e ganhando quatro partidas seguidas abriu mão da Copa do Brasil logo nas oitavas de final e contra o lanterna do Brasileirão. E podendo enfrentar na próxima fase enfrentar o América-RN.

Isso faltando mais de um turno e o time a cinco pontos da zona do rebaixamento. Os tempos de lanterna devem ter traumatizados o Flamengo.

Nas oitavas contra o Cruzeiro no ano passado o Rubro Negro estava com três pontos a menos do que tem hoje. E tinha uma sequência duríssima.

É um pensamento medíocre. O time é reconhecidamente limitado, precisa sempre jogar com os brios e resolvem dispensar a chance do único título do ano. Como se uma eliminação precoce fosse garantir o time na primeira divisão.

Ignoraram o bom ambiente que as fases decisivas poderiam trazer, a torcida presente, uma boa renda, o aumento do número de sócios e o tetracampeonato da Copa do Brasil, oras.

Agora o Flamengo parte para uma maratona de três semanas seguidas com jogos quarta e domingo. Adiantou alguma coisa jogar do jeito que jogou? Resolveu todos os problemas do Flamengo não seguir jogando com o mesmo espírito que "saiu da confusão" do Brasileirão?

A única meta do Luxemburgo e não rebaixar o Flamengo e começar o ano que vem como treinador da Gávea, como se tivesse cumprido uma dura tarefa, como se oito partidas de um mata-mata não tivessem a cara de um Rubro Negro aguerrido como vinha sendo. Em 2011 o mesmo treinador ignorou a Sul-Americana e levou uma surra do Universidad do Chile em pleno Engenhão. Agora repete o mesmo erro.

E ainda perdeu seu atacante mais eficiente para domingo.

domingo, 24 de agosto de 2014

Brasileirão 2014: Criciúma 0 x 2 Flamengo


Luxemburgo chegou aos 83,34% de aproveitamento. São cinco vitórias em seis jogos, 15 pontos, superior aos 14 do líder absoluto Cruzeiro. É um começo surpreendente e, para este blog, não esperado.

Tudo começou lá contra o Botafogo e a escolha pelo zagueiro Marcelo. De lá pra cá o Flamengo levou apenas dois gols. Só o Cruzeiro conseguiu uma defesa melhor: um gol. (Ano passado quando Chicão se machucou, Samir assumiu a posição. Agora é Samir quem perde a posição para um bom Marcelo)

Equilibrar o sistema defensivo era um dos primeiros passos para tirar o time da zona da desgraça. Diminuir as linhas e os espaços era o segundo. Mesmo com um ataque que, segundo o Luxemburgo, tem sido usado para cansar o adversário e a melhor dupla entra no segundo tempo para jogar 30 minutos e garantir a vitória. Sob essa perspectiva, o time pode mais.

Na vitória deste domingo, o Flamengo até poderia ter saído na frente na etapa inicial. Foram duas bolas na trave, boas jogadas e um domínio do jogo, sem permitir qualquer pressão do adversário diante de sua torcida.

Nem as estreias dos ex-Rubro Negros Souza e Cléber Santana levaram azar ao clube da Gávea. 

O segundo tempo começou ruim, mas a tradicional substituição e as entradas de Lucas Mugni e Eduardo da Silva permitiram ao Flamengo voltar a dominar as ações, marcar seus dois gols e finalmente terminar um jogo de forma tranquila, sem sofrimento.

Que continue assim então. O nível técnico do time titular pode ser pelo menos melhorado com as entradas de Paulinho e Elton no ataque nos lugares de Arthur e Nixon, nível série B. Mantendo no segundo tempo a dupla-trunfo do Luxemburgo, portanto.

Eduardo da Silva pode até jogar uns minutos a mais. Hoje o atacante tem média de 30,9 minutos por jogo. Sua média nos últimos cinco anos, segundo o Futdados, é de 39,7 minutos por jogo.

O Flamengo parece crescer na hora interessante: vésperas das oitavas de finais da Copa do Brasil e um começo de returno duríssimo pela frente, capaz de provar verdadeiramente o time do Luxemburgo.

sábado, 23 de agosto de 2014

Flamengo vai em busca do decacampeão estadual de basquete contra três equipes

Quatro times estão confirmados no Estadual de basquete masculino: Flamengo, LSB (Liga Superbasketball), Macaé e Vasco.

A Federação Carioca teve que prorrogar o prazo de inscrição para que mais clubes se interessassem, pois apenas Flamengo e Macaé estavam confirmados no campeonato.

O Rubro Negro vai em busca do décimo título seguido, para igualar o feito extraordinário do Kanela (1951-1960).

A temporada oficial começa nos dias 26 e 28 de setembro com a disputa do Mundial de Basquete na Arena da Barra contra o Maccabi Tel Aviv.

O que o clube poderia promover para a temporada mais importante da historia do Flamengo? Como fidelizar aqueles fanáticos Rubro Negros que curtem basquete? A montagem do elenco foi sensacional, o esporte se sustenta, mas o que a diretoria pode fazer a mais pela torcida?

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Brasileirão 2014: Flamengo 2 x 1 Atlético-MG


Empurrado pela torcida e pelas alterações de Luxemburgo no segundo tempo, o Flamengo derrotou o Atlético Mineiro de virada por 2 x 1 e abriu quatro pontos da zona do rebaixamento. Para o G4 são nove pontos.

Foi a terceira vitória consecutiva do time no Brasileirão, fato que não acontecia desde 2011, justamente com  o próprio Luxemburgo. 

Ao contrário dos outros jogos, o Flamengo teve campo para trocar passes e buscar o ataque. E começou bem, buscando os espaços pela direita, girando a bola de um lado pro outro, mas falhando muito na execução final, até por ter entrado com quatro volantes em campo e um Arthur limitado no ataque. 

Sem jogar todo fechado na marcação, o time expôs suas deficiências: o galo mineiro aguardava os erros de troca de passe da equipe carioca. Foram dois erros no meio de campo, no terceiro não segurou a velocidade de Maicosuel, que passou pelo melhor marcador - Cáceres e como quis pelo zagueiro mais experiente - Wallace.

O Flamengo se assustou e passou a errar muito no ataque e dar muito espaço na defesa. O time de Levir Culpi não aproveitou e pouco ameaçou depois de abrir o placar. Dátolo, que sempre joga inspirado contra o Rubro Negro, fez uma partida bem ruim.

Os erros permaneciam até os 17 minutos do segundo tempo, quando entraram Lucas Mugni e Eduardo da Silva. No primeiro lance o atacante sofreu pênalti. Sete minutos depois mais uma vez ele, João Paulo, em sua terceira assistência colocou na cabeça do Rubro Negro Croata para virar a partida e levar o Maracanã à baixo.

Depois foi só coração para segurar o placar. Foram 27 bolas roubadas do Flamengo. Muita raça e vontade na marcação e dezenas de carrinhos para impedir o ataque mineiro. Lucas Mugni e Eduardo da Silva seguravam a bola no ataque e deixaram o tempo correr. Esse detalhe fez muita diferença.

Canteros foi um monstro. Acertou 50 passes, seu recorde desde quando chegou à Gávea, segundo o Footstats. Éverton parece mais confiante graças ao gol na última rodada e voltou a jogar bem.

Enfim, é um Flamengo que aos poucos começa a tomar corpo. O time começa a sair da pressão para entrar na fase de confiança de que pode render mais.

O preparo físico com Antônio Mello parece ter dado resultado em pouquíssimo tempo. O que correram para conseguir a virada e depois para segurar a pressão não foi brincadeira.

O zagueiro Marcelo lembra muito Júnior Baiano. Fez um corte no meio de campo e depois chutou a bola para escanteio!!! Depois deu uma bicuda dentro da grande área pro alto!!!. Precisa tomar seu remedinho antes das partidas.

Eis Luxemburgo: cinco jogos, quatro vitórias. O Flamengo respira novos ares.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Brasileirão 2014: Coritiba 0 x 1 Flamengo


Segunda vitória seguida do Flamengo no campeonato para finalmente sair da zona de rebaixamento. Jogando fora de casa na então temida Curitiba, o Rubro Negro derrotou o Coritiba por 1 x 0 gol de Éverton.

São quatro jogos com Luxemburgo: três vitórias e apenas um gol sofrido. Nas 11 partidas anteriores foram 19 gols sofridos.

E foi no estilo do atual treinador de ser: marcando muito, jogando como time que reconhece suas limitações e buscando um gol para vencer a partida.

O Flamengo no primeiro tempo marcou pressão, bloqueando as jogadas de velocidade do Coritiba e controlando o ímpeto ofensivo do adversário.

Alternando chutões com toque de bola e jogadas em velocidades, Éverton foi o destaque: perdeu um gol livre em ótimo passe de Canteros, fez seu gol após roubada de bola e deu um passe limpo para o chute torto de Alecsandro dentro da pequena área. Um pecado.

O Coritiba sem Alex abusava dos cruzamentos. Eduardo da Silva sofreu com os chutões e praticamente não viu a cor da bola. Alecsandro teve uma atuação bem ruim.

No segundo tempo o Flamengo já não marcava mais pressão e deixava o adversário todo no seu campo de defesa. Mesmo com a entrada do Lucas Mugni o time não conseguia manter a posse de bola e muito menos ameaçava o goleiro coxa branca.

Apesar de maior posse de bola, o Coritiba não conseguia abafar, continuava ameaçando apenas nas bolas paradas.

Só aliviou e o Flamengo voltou a tocar bola quando ficou com um jogador a mais após expulsão de Robinho.

No estilo de um "Luxemburgo humilde" acertou a defesa, tirou o clube da zona do rebaixamento. Agora falta acertar o contra-ataque e melhorar o sistema ofensivo. A diretoria também precisa agir, vendeu Hernane e vai trazer quem?

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Em 15 meses, Flamengo reduz dívida em 14,6%

Ótima postagem do blog "Sócios Pelo Flamengo", grupo no qual faço parte, sobre o real endividamento do Flamengo após as demonstrações financeiras de 2013 e o primeiro trimestre de 2014.

"O endividamento real do clube, ao término do primeiro trimestre do ano de 2014, foi de R$ 610 milhões. Em um ano e três meses, o clube não só interrompeu a trajetória de crescimento do endividamento observada nos últimos anos, como o reduziu em 14,6%, R$ 105 milhões de reais."

Leia a análise aqui.

O controle do déficit financeiro é um dos pontos previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte. 

Clubes e Bom Senso se acertam. Aprovação da LRFE fica mais próxima


Finalmente clubes e Bom Senso se reuniram e chegaram a um consenso. Em reunião nesta quinta-feira, ficou decidido que será criado um órgão fiscalizador do cumprimento das obrigações propostas na Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte.

Uma espécie de Agência Reguladora, que será financiada pela CBF, porém sem subordinação. Realmente não dava para ficar sob responsabilidade de uma instituição que se quer consegue administrar o controle de suspensão de atletas. Escrevi sobre isso aqui.

Outro ponto importante que foi pacificado diz respeito à frequência de apresentação das Certidões. O projeto da LRFE prevê a apresentação sempre antes dos campeonatos - três vezes ao ano, mas ficou definido após a reunião de hoje que a obrigatoriedade de provar que salários e impostos estão em dia será mensal.

Semana que vem acontece uma nova rodada de negociação para os últimos acertos. O projeto deve ser colocado em votação apenas depois das eleições.