quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Brasileirão 2014: Flamengo 2 x 1 Atlético-MG


Empurrado pela torcida e pelas alterações de Luxemburgo no segundo tempo, o Flamengo derrotou o Atlético Mineiro de virada por 2 x 1 e abriu quatro pontos da zona do rebaixamento. Para o G4 são nove pontos.

Foi a terceira vitória consecutiva do time no Brasileirão, fato que não acontecia desde 2011, justamente com  o próprio Luxemburgo. 

Ao contrário dos outros jogos, o Flamengo teve campo para trocar passes e buscar o ataque. E começou bem, buscando os espaços pela direita, girando a bola de um lado pro outro, mas falhando muito na execução final, até por ter entrado com quatro volantes em campo e um Arthur limitado no ataque. 

Sem jogar todo fechado na marcação, o time expôs suas deficiências: o galo mineiro aguardava os erros de troca de passe da equipe carioca. Foram dois erros no meio de campo, no terceiro não segurou a velocidade de Maicosuel, que passou pelo melhor marcador - Cáceres e como quis pelo zagueiro mais experiente - Wallace.

O Flamengo se assustou e passou a errar muito no ataque e dar muito espaço na defesa. O time de Levir Culpi não aproveitou e pouco ameaçou depois de abrir o placar. Dátolo, que sempre joga inspirado contra o Rubro Negro, fez uma partida bem ruim.

Os erros permaneciam até os 17 minutos do segundo tempo, quando entraram Lucas Mugni e Eduardo da Silva. No primeiro lance o atacante sofreu pênalti. Sete minutos depois mais uma vez ele, João Paulo, em sua terceira assistência colocou na cabeça do Rubro Negro Croata para virar a partida e levar o Maracanã à baixo.

Depois foi só coração para segurar o placar. Foram 27 bolas roubadas do Flamengo. Muita raça e vontade na marcação e dezenas de carrinhos para impedir o ataque mineiro. Lucas Mugni e Eduardo da Silva seguravam a bola no ataque e deixaram o tempo correr. Esse detalhe fez muita diferença.

Canteros foi um monstro. Acertou 50 passes, seu recorde desde quando chegou à Gávea, segundo o Footstats. Éverton parece mais confiante graças ao gol na última rodada e voltou a jogar bem.

Enfim, é um Flamengo que aos poucos começa a tomar corpo. O time começa a sair da pressão para entrar na fase de confiança de que pode render mais.

O preparo físico com Antônio Mello parece ter dado resultado em pouquíssimo tempo. O que correram para conseguir a virada e depois para segurar a pressão não foi brincadeira.

O zagueiro Marcelo lembra muito Júnior Baiano. Fez um corte no meio de campo e depois chutou a bola para escanteio!!! Depois deu uma bicuda dentro da grande área pro alto!!!. Precisa tomar seu remedinho antes das partidas.

Eis Luxemburgo: cinco jogos, quatro vitórias. O Flamengo respira novos ares.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Brasileirão 2014: Coritiba 0 x 1 Flamengo


Segunda vitória seguida do Flamengo no campeonato para finalmente sair da zona de rebaixamento. Jogando fora de casa na então temida Curitiba, o Rubro Negro derrotou o Coritiba por 1 x 0 gol de Éverton.

São quatro jogos com Luxemburgo: três vitórias e apenas um gol sofrido. Nas 11 partidas anteriores foram 19 gols sofridos.

E foi no estilo do atual treinador de ser: marcando muito, jogando como time que reconhece suas limitações e buscando um gol para vencer a partida.

O Flamengo no primeiro tempo marcou pressão, bloqueando as jogadas de velocidade do Coritiba e controlando o ímpeto ofensivo do adversário.

Alternando chutões com toque de bola e jogadas em velocidades, Éverton foi o destaque: perdeu um gol livre em ótimo passe de Canteros, fez seu gol após roubada de bola e deu um passe limpo para o chute torto de Alecsandro dentro da pequena área. Um pecado.

O Coritiba sem Alex abusava dos cruzamentos. Eduardo da Silva sofreu com os chutões e praticamente não viu a cor da bola. Alecsandro teve uma atuação bem ruim.

No segundo tempo o Flamengo já não marcava mais pressão e deixava o adversário todo no seu campo de defesa. Mesmo com a entrada do Lucas Mugni o time não conseguia manter a posse de bola e muito menos ameaçava o goleiro coxa branca.

Apesar de maior posse de bola, o Coritiba não conseguia abafar, continuava ameaçando apenas nas bolas paradas.

Só aliviou e o Flamengo voltou a tocar bola quando ficou com um jogador a mais após expulsão de Robinho.

No estilo de um "Luxemburgo humilde" acertou a defesa, tirou o clube da zona do rebaixamento. Agora falta acertar o contra-ataque e melhorar o sistema ofensivo. A diretoria também precisa agir, vendeu Hernane e vai trazer quem?

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Em 15 meses, Flamengo reduz dívida em 14,6%

Ótima postagem do blog "Sócios Pelo Flamengo", grupo no qual faço parte, sobre o real endividamento do Flamengo após as demonstrações financeiras de 2013 e o primeiro trimestre de 2014.

"O endividamento real do clube, ao término do primeiro trimestre do ano de 2014, foi de R$ 610 milhões. Em um ano e três meses, o clube não só interrompeu a trajetória de crescimento do endividamento observada nos últimos anos, como o reduziu em 14,6%, R$ 105 milhões de reais."

Leia a análise aqui.

O controle do déficit financeiro é um dos pontos previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte. 

Clubes e Bom Senso se acertam. Aprovação da LRFE fica mais próxima


Finalmente clubes e Bom Senso se reuniram e chegaram a um consenso. Em reunião nesta quinta-feira, ficou decidido que será criado um órgão fiscalizador do cumprimento das obrigações propostas na Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte.

Uma espécie de Agência Reguladora, que será financiada pela CBF, porém sem subordinação. Realmente não dava para ficar sob responsabilidade de uma instituição que se quer consegue administrar o controle de suspensão de atletas. Escrevi sobre isso aqui.

Outro ponto importante que foi pacificado diz respeito à frequência de apresentação das Certidões. O projeto da LRFE prevê a apresentação sempre antes dos campeonatos - três vezes ao ano, mas ficou definido após a reunião de hoje que a obrigatoriedade de provar que salários e impostos estão em dia será mensal.

Semana que vem acontece uma nova rodada de negociação para os últimos acertos. O projeto deve ser colocado em votação apenas depois das eleições.

Flamengo sai do CADIN e clube pode voltar a receber verba federal. Contratos de patrocínio são penhorados

O Flamengo conseguiu uma importante vitória na justiça no dia de ontem: oferecendo o Centro de Treinamento e os contratos de patrocínio, o clube teve seu nome retirado do CADIN e agora pode voltar a receber as receitas de patrocínio da CEF e a grana da Confederação Brasileira de Clubes para seus esportes olímpicos.

Corria-se o risco também de perder as Certidões Negativas de Débito na próxima renovação se o nome do Rubro Negro ainda estivesse no cadastro informativo de créditos não quitados do setor público federal.

"Dessa forma, entendo por integralmente garantido o débito, eis que, levando-se em conta o imóvel e o contrato com as sociedades empresárias acima listadas, o valor da garantia supera o valor do débito", sentenciou o magistrado.

Se aliviou as contas por um lado, do outro a receita do restante do patrocínio da Peugeot, Guaraviton e da Tokio Marine Seguradora deverá ser depositado em uma conta judicial.

"Intime-se o exequente para que promova dita suspensão do registro no Cadin no prazo de 72 (setenta e duas) horas após a intimação. Certificadas todas as penhoras, bem como intimado o BACEN a realizar a suspensão do registro do executado no Cadin, intime-se o executado na forma e para os fins do art. 16, III da Lei n.º 6.830/80."

Pelo menos o clube ganhou tempo para discutir essa ação, requerer a prescrição de alguns valores e tentar diminuir essa dívida monstruosa. O processo ainda está na primeira instancia, a solução será demorada.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Alexandre Póvoa comenta sobre o basquete, projetos incentivados, Anjo da Guarda, Comitê Olímpico Americano e Arena McFla

O vice-presidente de esportes olímpicos Alexandre Póvoa volta ao blog com análises e novidades sobre o basquete, a estrutura da Gávea e os demais esportes olímpicos.

Confira:


- Walter Herrmann fechado. Augusto Lima tem alguma chance? Como você planeja a temporada? Tereremos uma contratação pontual para o Mundial e NBA?

A contratação do Herrmann foi a mais difícil de todas, desde que a gente assumiu em 2013. Ele sempre foi a nossa primeira opção. Na primeira sondagem, o empresário e o atleta nem quiseram escutar. Chegamos a observar alternativas, mas nunca fomos adiante de forma concreta. Insistimos, conversamos diretamente com o atleta (acho que foi fundamental para dar confiança a ambos os lados). Ele tinha propostas de clubes argentinos e sondagens para voltar para a Europa. Acho que ajudou muito o fato do Nicolas e do Gonzalo Garcia terem dado boas referências do clube, além do calendário muito bom que temos e o prestígio que o Flamengo vem construindo no basquete. Estamos felizes porque, além de ser um jogador de altíssimo nível (campeão olímpico, NBA e Liga Espanhola, em todas as competições como destaque), pelas conversas que tivemos, trata-se de uma pessoa também de um patamar intelectual e de formação alto, dentro e fora da quadra. Tem uma história de vida muito dura, o que deve ter contribuído nessa formação. Esse fato foi levado em conta, porque ele vai se juntar a grupo já formado e que tem essa característica. É importante não somente pela temporada inteira, mas sobretudo porque ele só terá 12 dias aproximadamente para treinar com o grupo antes do jogo com o Maccabi Tel Aviv. Quanto ao fato de ter 35 anos, o fato de ele ter sido MVP da Liga Argentina ano passado e convocado (para efetivamente jogar) o Mundial, faz com que essa preocupação fique diminuída.

Não gostamos de trazer um terceiro estrangeiro no começo da temporada, como política. Anos passado, chegamos a ser criticados por não ter renovado com o Kojo ou com o Zanotti. Achamos que jogador estrangeiro só deve vir em duas condições – para fazer diferença (contratações de começo de temporada) ou para suprir alguma lacuna no meio da temporada (seja técnica ou física). Como foi o caso do Washam na temporada passada, com a contusão do Benite. Temos somente “três tiros” para estrangeiros, fomos pacientes e acho que tomamos a decisão correta. Mas nesse ano, dado o calendário, tivemos que abrir essa exceção, o que é um risco, mesmo com um jogador de ótimo nível.

Quanto ao restante do elenco, acredito que montamos na temporada passada um equipe mais qualificada e equilibrada relativamente à temporada anterior. Mesmo tendo sido “campeão de tudo”, o que nos deixou muito felizes, acreditamos que o grupo não rendeu tudo que podia. Pelo nível dos jogadores, poderíamos ter ganho alguns jogos com mais facilidade. Isso não é crítica, até porque vários fatores contribuíram negativamente:  Marcelinho, 39 anos, voltando de uma contusão seríssima de 10 meses de parado; Marquinhos perdeu todo o segundo semestre por conta de uma complicação de uma cirurgia simples; a contusão feia do Benite; Nicolas e Jerome, apesar de serem jogadores de alto nível, não renderam tudo que podiam, porque é o primeiro ano de Brasil, a adaptação não é tão fácil. Tenho a convicção que o mesmo time vai crescer esse ano, ainda há potencial para chegarmos á nossa condição máxima.

Sempre digo que está ganhando, se mexe sim. Sempre para melhor. A chegada do Walter Herrmann qualifica demais o elenco. O Cristiano hoje é pivô 5 da Seleção Brasileira e vai ganhar mais espaço nesse ano. Gostaria de lembrar que rebote não se ganha somente com “pivozão”; se ganha com inteligência, não só dos pivôs, mas também dos alas que precisam fechar o pessoal que vem de fora. Isso precisa e deve ser treinado. O time vai jogar mais perto do seu potencial nesse ano, não tenho dúvidas.

Reconhecemos, porém, que talvez para os jogos com o Maccabi e da NBA, precisemos de um pouco mais de força e não está descartada uma contratação pontual de algum estrangeiro – um pivô 5. Que fique claro, porém, que essa seria mais uma exceção, porque estamos em um ano realmente “excepcional”. Não é mais política do Flamengo contratar jogadores que possam sair a qualquer momento para a NBA ou qualquer lugar. O Flamengo não é ponte, é final de estrada, Não pode ser meio, é sempre fim. Temos que nos dar ao respeito com todo o currículo que estamos acumulando no basquete. Nesse caso da contratação pontual, o atleta teria dia para chegar e dia para ir embora. Seria um contrato curto. E teria que ser um atleta para fazer a diferença nesses 5 jogos históricos do começo da temporada.

Queremos, sim, observar muito a LDB e começarmos a formar uma base forte. O Flamengo tem que voltar a formar jogador, como sempre fez na minha época. Ganhamos a LDB esse ano, fantástico, mas o nível foi muito baixo da competição. Quem sabe buscamos um bom pivô 5 nessa competição para o resto da temporada ? O José Neto, a partir desse ano, vai exercer um papel diferente, como se fosse um Head Coach de todo o basquete do clube. Vamos verticalizar tudo, do adulto até a escolinha – parte técnica, preparação física, médicos, fisioterapia.

Finalizando, nunca houve contato com Augusto Lima ou Fab Melo como vi sendo comentado em vários blogs. O nosso problema bom é que todo mundo quer jogar no Flamengo hoje e começam a aparecer as “cavadas”. São ótimos jogadores, mas não temos orçamento para tudo, escolhas precisam ser feitas. Gostaria de lembrar que a renovação dos jogadores que ganharam tudo na temporada passada também foi difícil. Os atletas e a comissão técnica se valorizaram e buscamos reconhecer dentro dos nossos limites.


- O Flamengo teve aprovado o projeto de R$ 8 milhões via ICMS para a próxima temporada do basquete? A previsão é "renovar" com a TIM?

Sim, no esporte olímpico, mata-se um elefante por dia. As pessoas não têm ideia das dificuldades. Talvez no interior de São Paulo, o dinheiro esteja sobrando (rs), aqui não. Hoje, temos a Lei de Incentivo (só foi publicada em DO na semana passada – vide em anexo - depois de uma longa tramitação, mas deu tudo certo), dois patrocínios, cotas da NBA e do Mundial, enfim, temos uma situação muito melhor do que prevalecia até dezembro de 2012 (quando o basquete era praticamente financiado pelo futebol e os salários estava atrasados por mais de 3 meses), mas não temos espaço para cometer loucuras. Não é segredo para ninguém que a situação financeira do Flamengo é muito difícil e nós não vamos abrir mão do nosso compromisso de ser um clube cidadão. O processo da renovação da TIM está bem mais adiantado relativamente à temporada passada. Esperamos não passar pela mesma situação do segundo semestre de 2013 mas, novamente, há um manada de elefantes a serem abatidos no horizonte.

DO_RJ: 07/08/2014


- Como está o andamento dos projetos enviados pelo Flamengo para participar do chamamento interno da Confederação Brasileira de Clubes para equipamentos? Há expectativa para o lançamento de novos editais?

Vocês devem saber que o Flamengo, hoje, apesar de estar com todas as certidões em dia, não pode receber um tostão de verbas incentivadas federais porque teve seu nome inscrito no CADIN do Banco Central. O motivo foi a multa, que caiu no nosso colo agora, de R$ 90 milhões pelo fato do clube não ter informado ao BC corretamente sobre milionárias transações de jogadores na década de 90. Pagamos o preço da irresponsabilidade e más gestões até hoje. Mas estamos otimistas que, ainda nessa semana, conseguiremos resolver a questão. O contato com o BC está adiantado.

Temos que estar com o nome fora do CADIN até o dia 22/08 para recebermos as verbas de equipamentos que pedimos para a Confederação Brasileira de Clubes (CBC), que está distribuindo os recursos da Lei Pelé. Depois de tanta luta e sacrifícios, não receber esses recursos seria uma frustração enorme. Mas, se conseguimos resolver o Cadin, estamos otimistas, dado nossas intensas batalhas e contatos com a CBC e Ministério dos Esportes (que está olhando SICONV + Lei Pelé como uma coisa só). Pedimos nessa primeira tranche cerca de R$ 7 milhões, entre piscina italiana Myrtha, flotilha de remo e diversos equipamentos para ginástica, judô e vôlei.

Pelo o que fomos informados, há expectativa de lançamento de novos editais assim que o resultado do atual (que deve ser publicado em 22 de agosto) sair. Há muito dinheiro na Caixa da CBC e o Flamengo não pode ficar fora desses recursos, vamos lutar por cada centavo.


- Qual o balanço que você faz do Projeto Anjo da Guarda? Existirá algum tipo de prestação de contas onde o dinheiro foi investido?

Quanto ao Anjo da Guarda, podemos olhar o resultado sob a ótica do copo “meio vazio” ou “meio cheio”. Em se tratando de Flamengo, em uma campanha onde o sujeito apenas tem o trabalho de transferir o seu IR a pagar da Receita Federal para o clube (ou seja, não há nenhum desembolso real envolvido), não dá para afirmar que R$ 1,2 milhões de captação tenha sido algo brilhante.  Levando em consideração que aproximadamente 15% (30 milhões) da população brasileira (200 milhões) declararam I.R. em 2014, teríamos, no caso do Flamengo, 6 milhões de pessoas que potencialmente poderiam contribuir (15% de 40 milhões). Quando apenas 822 rubro-negros se dispõem a fazer isso, por mais que a divulgação não atinja a todos, tem alguma coisa errada. O que chama mais atenção é que eu e o nosso grupo falamos com pelo menos 500 pessoas de altíssima renda, que se dizem “grandes rubro-negros”, e o nível de resposta efetiva de adesão ao Anjo da Guarda foi baixíssima, tal como ocorreu em quase toda a “classe política” rubro-negra.

Olhando a situação pelo copo “meio cheio”, cabe ressaltar que foi a maior captação pulverizada da história da Lei de Incentivo de I.R. no Brasil. Dentro de todos os riscos que assumimos, acho que a resposta foi interessante para um primeiro ano. Montamos um eficiente sistema de captação via Internet e, pelo o que eu saiba, ninguém teve problemas do tipo “malha fina” com o I.R., dado que a Receita às vezes pega aleatoriamente esses casos de doação. Ótimo, porque lá para Outubro vem aí o Anjo da Guarda II. O fundamental é que o programa, dando certo, cresça ano a ano. Que em 2014, ao invés de 800 contribuintes, consigamos 1.600. A meta realista seria dobrar a arrecadação para R$ 2,4 milhões. Tirando o basquete adulto, isso significaria quase 25% do nosso orçamento anual para custeio do esporte olímpico no Flamengo.

Dos 1,2 milhões captados, cerca de R$ 200 mil estão sendo usados no Projeto de Judô e Ginastica, em plena fase de execução.

- R$ 600 mil foram destinados ao Projeto de Esportes Coletivos, ainda em fase de captação (faltam R$ 500 mil de empresas para começarmos a executar)

- R$ 200 mil foram destinados aos projetos aquáticos (ainda faltam R$ 200 mil de empresas para começarmos a executar)

- R$ 200 mil foram destinados ao remo (ainda faltam R$ 800 mil de empresa, para começarmos a executar).

O remo, apesar de estar aparentemente mais longe, já tem uma empresa interessada em bancar. Estamos na expectativa do CADIN para irmos em frente.

É muito difícil conseguir apoio. Desde que assumimos, já visitamos/contactamos umas 200 empresas e só doze estão patrocinando o clube através de verba direta ou incentivada. Mas temos frentes abertas e tenho a expectativa no segundo semestre já estaremos anunciando a autossutentabilidade do esporte olímpico do C.R. Flamengo.


- Existe a possibilidade de o Flamengo voltar a ter uma equipe adulta de natação pro ano que vem somada aos ótimos atletas da categoria júnior? E o projeto referente ao parque aquático via ICMS? Alguma novidade?

Só vamos ter equipe quando tivermos condições de abriga-la (infraestrutura) e custeá-la (lei de incentivo). Tal qual foi com a ginástica artística. Estamos próximos a isso. No caso da piscina, temos bastante expectativa de conseguirmos a solução italiana Myrtha via Lei Pelé (que custa cerca de R$ 2 milhões). Aí precisaremos de algo em torno de mais R$ 2 milhões da lei de incentivo de ICMS para completarmos nosso sonho. Estamos abrindo frentes, estamos mais próximos.


- O Comitê Olímpico planeja construir uma Arena do judô? Quais outras obras estão em vista?

Estamos em negociação para a construção de uma academia para sócios e a arena de lutas de judô deve ficar no andar de cima, financiado com os recursos acordados com o Comitê Olímpico dos EUA. Caso essa definição da academia não ocorra, o espaço será feito em outro espaço da Gávea.

Aí sim, com equipamento novo e custeio através de lei de incentivo, vamos vislumbrar a volta de uma equipe adulta forte. Sonho todos os dias com a seguinte Gávea ao final de 2015:

- Campo de futebol totalmente reformado (já concluído com a parceria com a Holanda).

- Vestiários do Hélio Maurício e Togo Renan totalmente reformados (com recursos do Comitê Olímpico dos EUA, as reformas devem ficar prontas até outubro)

- Ginásio Cláudio Coutinho reformado – Com recursos próprios, estamos consertando o teto e preparando o ginásio para receber equipamentos de última geração (acordo operacional com o COB, devem chegar em novembro, quando pretendemos reinaugurar o ginásio em grande estilo, com toda a nossa equipe de volta).

- 2 Salas de musculação modernas, com equipamentos de última geração, somente para atletas olímpicos (já conseguimos recursos pela lei de incentivo de ICMS), uma para a Gávea e a outra para o Remo. Devemos ter ambas prontas até novembro também.

- Arena de judô – Até o final de 2015 é o prazo limite, com recursos do Comitê Olímpico dos EUA

- Reforma das quadras de tênis – Até o final de 2015 é o prazo limite, com os recursos do Comitê Olímpico dos EUA.

- Construções/equipamentos esportivas  que ainda estamos tentando viabilizar: Arena Mc Donalds, Flotilha nova (Lei Pelé), reforma da piscina (Lei Pelé + ICMS), material novo vôlei, futsal, basquete (Lei Pelé).

- Construções sociais que ainda estamos tentando viabilizar: Museu e Academia para sócios

Fora isso, há todo o Plano Diretor da Gávea já pronto e que será proposto no Conselho Deliberativo para aprovação. Recomendo que quem queira comprar um título de sócio do Flamengo, pode ser um bom momento.... (rs).


- E qual a situação da Arena McFla?

Tivemos uma ótima reunião com o Eduardo Paes na semana passada. Ele gostou do projeto, sobretudo por ser um equipamento importante para a cidade como legado das Olimpíadas de 2016 e para a beleza arquitetônica da Lagoa. Estamos esperançosos em conseguir as últimas licenças que estão faltando em breve. O patrocinador está 100% de pé e estamos aguardando a liberação integral da prefeitura para começar as obras. Ainda temos a esperança e o sonho de termos essa arena pronta até o final de 2015.

domingo, 10 de agosto de 2014

Brasileirão 2014: Flamengo 1 x 0 Sport


Mais uma vitória de suma importância para o Flamengo neste Brasileirão.

Com um gol emocionante de Eduardo da Silva aos 40 minutos do segundo tempo, o Rubro Negro derrotou o Sport no Maracanã, saiu da lanterna, mas vai precisar de uma sequência para deixar a zona do rebaixamento.

Se o ataque cria pouco e chuta quase nada, a defesa com a chegada de Luxemburgo melhorou. Foi apenas um gol sofrido nos últimos três jogos. Entretanto a limitação ofensiva é evidente: é o único no campeonato a não ter feito um gol jogando fora de casa.

Time que precisa sair da lanterna é assim mesmo, melhora primeiro a defesa e tenta achar um gol como pode. Nos últimos nove jogos, o Flamengo marcou cinco gols, e todos foram de cabeça e em jogadas originadas pela esquerda, confira:

- Flamengo 1 x 1 Bahia, gol de Paulinho, de cabeça, em cruzamento da esquerda.
- Flamengo 1 x 1 Figueirense, gol de Alecsandro, de cabeça, em cruzamento pela esquerda.
- Flamengo 1 x 2 CAP, gol de Samir, de cabeça, após escanteio pela esquerda.
- Flamengo 1 x 0 Botafogo, gol de Alecsandro, de cabeça, em cruzamento também pela esquerda.
- Flamengo 1 x 0 Sport, gol de Eduardo da Silva, de cabeça em cruzamento pela esquerda.

Gols em jogada trabalhada, tabelinhas, lançamentos, zero.

Éverton, Alecsandro e Paulinho precisam jogar mais. Eduardo da Silva e Canteros, os dois contratados, já elevaram a qualidade da equipe. Lucas Mugni não se esconde, apesar dos erros.

A movimentação dos argentinos foi o destaque no jogo deste domingo:

Canteros

Mugni

Agora é preparar a semana, jogar fechado no Sul e por uma bola no ataque. Ano passado o Flamengo venceu o Coritiba por 2 x 0. Vamos ver como Luxemburgo diversifica as opções ofensivas mantendo a consistência defensiva.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Walter Herrmann fecha com o Flamengo por um ano


Agora é oficial: Walter Herrmann assinou com o Flamengo e vai defender a equipe Rubro Negra na temporada que é considerada a mais importante da história do clube.

O ala-pivô campeão olímpico em 2004 e MVP da última Liga Nacional Argentina chega com a responsabilidade de conquistar o décimo campeonato carioca, o tetracampeonato brasileiro, o bi da Liga das Américas e ainda o tão aguardado título Mundial.

Herrmann foi o cestinha do nacional argentino com ótimos 22.4 pontos por jogo e média de 7.1 rebotes por partida. Contra o Lanus, o argentino anotou incríveis 49 pontos. É uma contratação sensacional, sem dúvida a maior da história do NBB.

E pelas declarações do Alexandre Póvoa, o elenco está fechado: "a vinda dele completa a equipe de uma forma muito boa".

O próximo NBB será de altíssimo nível, e seria de bom tom que a final fosse em melhor de cinco jogos. O basquete, a torcida, os patrocinadores e os times agradecem merecem sensacionais duelos entre Flamengo x Bauru pela disputa do título.