quinta-feira, 24 de março de 2016

O Flamengo misto na semifinal da Primeira Liga; A comemoração dos jogadores pela eliminação; Urge uma sede para mandar seus jogos

O Flamengo foi o proeminente na luta pela criação da Primeira Liga. Ensaiou uma briga com a FERJ, entretanto teve que recuar por pressão da TV Globo.

Tudo isto para chegar à semifinal da competição com time misto, ser eliminado e ouvir os jogadores aliviados por "menos um campeonato para disputar".

Sem local para mandar jogos no Rio, sem patrocínio, só restou ao clube rodar o Brasil e, diga-se, lotar praticamente todos os estádios que jogou. A diretoria e a comissão técnica não se entenderam e fizeram um planejamento bem ruim: em baixo de um temporal, jogou o time titular contra o Madureira. Na fase aguda da Primeira Liga, mandou um time misto e foi eliminado, com os jogadores aliviados por reduzir o número de viagens.

Tudo errado!

Desde o jogo contra o América-MG no Espírito Santo as reclamações quanto ao cansaço passaram a ser frequentes, e ainda estamos em março. Podem ter razão, pois já são 12 estádios diferentes que o Flamengo atuou.

Evidente que o cansaço não pode ser muleta pra tudo de errado que acontecer. Evidente mais ainda que, desde a contusão do Mancuello, Arão caiu de produção e o Flamengo perdeu o que tinha de novidade neste ano, em comparação com 2015.

E o pior: Muricy não conseguiu mais evoluir a equipe e continua com um esquema absoluto em qualquer jogo ou circunstância: três atacantes.

Reconheço que pela quantidade de viagens: jogou em Volta Redonda no sábado, Aracaju na quarta, domingo em São Paulo e quarta em Juiz de Fora, fica inviável treinar para organizar o time, alternar um esquema novo e testar novas fórmulas.

A desculpa já está na ponta da língua pelos jogadores e pelo Muricy. Para evitar que isso ocorra, basta a diretoria encontrar uma sede para fazer seus jogos. Se oferece salários em dia, estrutura e um elenco razoável para brigar pelo Brasileirão, pode colocar tudo a perder se não encontrar um estádio. Seja por culpa do cansaço de fato, seja pela desculpa pronta em caso de fracasso do Muricy.

3 comentários:

Joanilson Silva disse...

O problema está sendo esse o Muricy q disse q iria dar oportunidade aos garotos ñ deixam eles jogarem.
Ñ tenta novas formações, Pq Vizeu ñ pode jogar com o Guerrero? Pq Ederson ñ pode jogar com o Patrick?
Ñ duvido do cansaço, mas a capacidade do técnico de resolver esse problema é clara.
A seleção da CBF se juntou a 2 dias e ontem teve uma jogada ensaiada q o Neymar perdeu o gol, ñ consigo lembrar uma jogada ensaiada nós jgs do Flamengo.
Agora ele diz q vai fazer rodízio e o MA continua como titular. No jg passando fiquei muito feliz com ele poupando o Sheik, mas isso só durou 45 minutos. Agora ele vai poupar meio time é o PV ñ sai, já estou de saco cheio das péssimas reposições dele, será q ele ñ percebe ou ñ tem ninguém p/ questionar isso? Ele poderia treinar a reposição, ver vídeos do JC e principalmente do Bruno.

Cadu Rollo disse...

Pois é.

A diretoria acertou e acerta em muitos aspectos, mas quando há erro tem que ser dito.

Faltou sim planejamento, já se sabia que não teríamos Maracanã e Engenhão em 2016, há MUITO tempo. Deveriam ter corrido atrás antes de uma solução real, e não fizeram. Agora é correr contra o tempo e resolver.

Financeiramente pode até estar sendo bom jogar fora, mas claramente isso está prejudicando a parte esportiva, então tem que ser repensado imediatamente.

Gustavo disse...


Depois ninguém sabe porque o basquete do Flamengo (que erra também), na média, é muito mais respeitado pela torcida do que o nosso futebol.

O Flabasquete perdeu uma Liga das Américas de forma ridícula na semifinal e um vice-presidente veio a público pedir desculpas à torcida. Não inventou nenhuma explicação esfarrapada, mesmo com um histórico altamente vencedor nos últimos anos. Deu a cara para bater e a vida continua apesar da decepção. O time acabou em primeiro na primeira fase da NBB e tem tudo para ser tetracampeão.

Já no futebol, é vergonha atrás de vergonha e nenhum dirigente, vice-presidente ou até o presidente aparecem para dar explicações. Só quem aparece é o técnico, que ara mim é uma enorme decepção e os jogadores para dizerem que estão cansados. Ridículo. Difícil torcer para isso, não há uma comunicação direta com a torcida, Parece que estão em outro mundo.

No basquete, me sinto representado, No futebol, me sinto desrespeitado o tempo todo. Isso independe de resultados.